home not�cias an�lise quem � quem ABTV

acesse aqui a versão padrão

Carreira | 28/01/2020
Luca De Meo, do Grupo VW, será novo CEO da Renault
O italiano Luca De Meo será o novo CEO da Renault a partir de julho próximo, confirmou a companhia francesa na terça-feira, 28, após negociar por vários meses a saída do executivo do Grupo Volkswagen, onde trabalhava há 12 anos ocupando diversos cargos de direção, o último deles como chefe da marca espanhola Seat. De Meo irá substituir Clotilde Delbos, que vinha ocupando interinamente a posição desde a demissão de Thierry Bolloré, em outubro passado.

Segundo a imprensa europeia, o milanês De Meo, 52 anos, formado em administração de empresas na Itália, parece ser o nome ideal que a Renault vinha procurando para o comando desde a traumática destituição de Carlos Ghosn, no fim de 2018, após a prisão do executivo no Japão sob acusações de fraude fiscal e desvios financeiros. Com carreira bem-sucedida e vindo de fora, o italiano poderá construir uma nova era na empresa sem a influência de Ghosn – motivo pelo qual Bolloré foi afastado meses depois de assumir o lugar do ex-chefe, de quem era considerado um fiel escudeiro.

Com passagens por diversos países – ele fala cinco idiomas, contando italiano, francês, espanhol, inglês e alemão – e vivência com muitas culturas organizacionais diferentes, De Meo terá como sua primeira missão estancar as perdas da companhia francesa e restaurar a abalada relação com a Nissan, na aliança entre as empresas que também envolve a Mitsubishi. Para isso terá de lançar mão de sua experiência profissional de mais de 20 anos no setor automotivo em que muitas vezes teve de lidar com a competição entre nacionalidades dentro das empresas que passou.

Segundo Jean-Dominique Senard, presidente do conselho de administração do Grupo Renault, essa bagagem de De Meo foi fator decisivo para trazer o executivo ao comando da empresa.

“Levando em conta sua carreira, experiência e seu sucesso, consideramos que Luca De Meo combina as qualidades necessárias para contribuir com o processo de desenvolvimento e transformação do Grupo Renault. Ele é um grande estrategista e visionário das rápidas mudanças do mundo automotivo”, disse Jean-Dominique Senard.



No comando da Seat desde 2015, De Meo tirou a marca espanhola da incômoda posição de divisão deficitária do Grupo VW e fez a empresa voltar ao lucro com rápido crescimento das vendas. O executivo vinha sendo cotado para ser o sucessor de Herbert Diess na direção global da Volkswagen, mas decidiu não esperar pela oportunidade após ter sido preterido em sua passagem anterior como membro do board da Audi responsável por vendas e marketing. Antes de ingressar na companhia alemã, em 2009, De Meo trabalhou no Grupo Fiat (hoje FCA), onde dirigiu as marcas Fiat, Lancia e Alfa Romeo. Ele começou a carreira no setor na Renault e depois passou pela Toyota Europa.

MURGUET SAI APÓS 30 ANOS NA RENAULT



Após entregar a presidência a De Meo, Clotilde Delbos deverá ser a nova vice-presidente executiva da Renault, cargo que foi desocupado também na terça-feira, com a saída de Olivier Murguet, que deixou a companhia após 30 anos “para realizar projetos pessoais”, segundo comunicado. Murguet foi presidente da Renault no Brasil de 2012 a 2015, quando passou a comandar a divisão Américas da empresa até regressar à França, em 2018, para assumir a vice-presidência executiva de vendas e regiões.

Para o cargo de vice-presidente executivo de regiões, vendas e marketing, que era acumulado por Murguet, na mesma terça-feira a Renault nomeou Denis Le Vot, que tem assento no Comitê Executivo do Grupo (CEG). Assim como Murguet, ele iniciou sua carreira na empresa em 1990 e passou por diversos cargos em vários países nas áreas comercial e de pós-vendas. No ano passado foi nomeado vice-presidente sênior da Divisão de Veículos Utilitários da Aliança Renault Nissan.

Delbos também acumula os cargos de chefe financeira (CFO) do Grupo Renault e presidente do conselho de administração do RCI Banque, o braço financeiro da companhia.

[ voltar ]