home not�cias an�lise quem � quem ABTV

acesse aqui a versão padrão

Tecnologia | 10/07/2019
ZF desenvolve chassi “Tapete Voador”
A ZF desenvolve um sistema de controle de chassi que atende pelo sugestivo nome de “Tapete Voador”. O conceito integra diversos sensores nas rodas e câmera que identificam o caminho à frente, como ondulações, lombadas e buracos, essas informações são passadas a uma central de processamento que aciona atuadores para ajustar a suspensão do carro, aplicando calibrações diferentes no amortecedor de cada roda, para reduzir as oscilações, vibrações e balanços no interior da carroceria, o que aumenta o conforto e a segurança do veículo – como se os ocupantes estivessem de fato em cima de um tapete voador.

O conceito “Flying Carpet 2.0” (Tapete Voador 2.0) foi apresentado à imprensa global durante o ZF Global Technology Day 2019, evento realizado em Dresden, Alemanha, para antecipar as principais tecnologias que a empresa desenvolve para os próximos anos e que serão demonstradas ao público no próximo Salão de Frankfurt, em setembro. O “coração” do sistema avançado de controle de chassi chama-se sMotion, composto de quatro atuadores instalados em cada amortecedor para adaptar os movimentos da suspensão do carro de acordo com as condições de direção e a superfície da pista.

Os atuadores do sMotion vão além de apenas ajustar os níveis de resistência hidráulica da suspensão. O dispositivo acoplado a cada amortecedor integra um motor elétrico, uma bomba e um controlador eletrônico, que trabalha como um atuador bidirecional. Com isso, conseguem puxar cada roda para cima ou empurrá-las para baixo. Ao passar por uma curva, por exemplo, as duas rodas internas podem ser retraídas e as outras duas estendidas, de maneira que o piso do carro permaneça praticamente na horizontal. Da mesma forma, o sMotion compensa movimentos de rolagem, solavancos e balanço da carroceria provocados pela aceleração, frenagem, esterçamento ou asfalto desnivelado.

SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE DE CHASSI



“Com o nosso ‘Flying Carpet 2.0’ projetamos um conceito de chassis capaz de controlar praticamente todos os movimentos longitudinais, transversais e verticais do veículo”, afirma Christoph Elbers, chefe de desenvolvimento da ZF na área de tecnologias de chassi para veículos de passageiros.



O chassi Tapete Voador integra quatro sistemas desenvolvidos pela ZF: os atuadores sMotion trabalham em conjunto com o eixo traseiro direcional AKC (do inglês Active Kinematics Control), direção elétrica by-wire (por cabo elétrico) e sistema integrado de freios (IBC), tudo controlado pelo processador CubiX, projetado para “entender” o caminho e atuar para melhorar as condições de direção do veículo, ajudando a abrandar os balanços e solavancos causados por buracos, irregularidades nas vias, curvas fechadas e freadas bruscas.

Contribui significativamente para aumentar estabilidade e precisão nas curvas o eixo direcional traseiro AKC, que tem duas estratégias distintas de atuação: em velocidades mais baixas, até cerca de 70 km/h, o sistema esterça as duas rodas traseiras no sentido oposto ao das dianteiras; quando o veículo estiver mais rápido ocorre o oposto, rodas dianteiras e traseiras giram para o mesmo lado, para privilegiar a estabilidade direcional. Trabalhando juntamente com a suspensão ativa sMotion, o AKC evita derrapamentos em curvas fechadas, tornando o carro praticamente imune a instabilidades.


O sistema de controle de chassi pode reconhecer placas e preparar a suspensão para as condições à frente

O “cérebro” que controla o funcionamento integrado dos sistemas de controle de chassi, o processador CubiX, também foi desenvolvido pela ZF. O sistema tem estrutura modular, para ser adaptado individualmente às necessidades de cada fabricante e modelo de automóvel. A central de controle inteligente, alimentada com informações de sensores como câmeras e radares, torna o carro equipado com o “Flying Carpet 2.0” capaz de identificar antecipadamente irregularidades no pavimento, além de obstáculos e objetos como placas de sinalização. Com isso, os atuadores também podem se preparar para os movimentos futuros. Ao sair do perímetro urbano, por exemplo, o veículo automaticamente muda para o modo de condução esportiva ou confortável, dependendo da preferência do motorista.

“Fornecemos todos os componentes do chassis, desde o amortecimento ativo, direção do eixo dianteiro e traseiro até freios. Isso nos coloca na posição privilegiada de poder sincronizar perfeitamente o controle desses equipamentos por meio de algoritmos e combiná-los para formar uma solução preditiva e responsiva. A integração e os sistemas mecatrônicos inteligentes e conectados preparam o veículo para o tráfego urbano autônomo do futuro”, destaca Christoph Elbers.

[ voltar ]