home not�cias an�lise quem � quem ABTV

acesse aqui a versão padrão

Lançamentos | 09/02/2018
Fiat Cronos depende de preço para vencer concorrência
O Fiat Cronos, novo sedã compacto produzido na Argentina que começa a ser vendido em março no Brasil, fecha um ciclo de renovação de modelos da marca iniciado em 2016 com lançamentos da picape Toro, do subcompacto Mobi e do hacth Argo – que seguiram ao fim da vida de carros como Punto, Siena, Weekend e o mais icônico deles, o Palio. Por isso, o Cronos chega como que para confirmar se a estratégia deu certo como um todo, no momento em que a Fiat passa por dificuldades, foi a marca que mais perdeu terreno no mercado brasileiro em 2017, fechou o ano com queda de 4,5% nas vendas enquanto todos os concorrentes cresceram. O Cronos tem qualidades para compor o time titular da fabricante no País, mas diante dos competidores, vai depender fundamentalmente de seu preço para vencer, empatar ou perder.

Os preços do Cronos no Brasil só serão conhecidos no próximo dia 21, data do lançamento oficial do carro no País. Na Argentina, onde foi lançado dia 7 em três versões – 1.3 (até 109 cv com etanol) manual, 1.8 (até 139 cv) manual e 1.8 automático de seis marchas –, os valores convertidos para reais vão de R$ 53,5 mil a R$ 68,7 mil. É certo que, devido a diferença de impostos, o sedã deve custar mais no mercado brasileiro, onde as apostas para a linha começam em R$ 58 mil e vão a R$ 80 mil. Se for assim, o Cronos será mais barato na entrada, mas terá diversas correspondências com seu maior rival no andar de cima, que vai de R$ 60 mil a R$ 87 mil, com espaço interno maior que o Fiat e motorização mais eficiente, com 1.0 turbinado de 128 cavalos e 1.6 aspirado de 117 cv.

Os marqueteiros da Fiat têm feito o possível para evitar a comparação entre Cronos e Virtus, mas ela parece inescapável, até porque os dois modelos chegam quase ao mesmo tempo no mercado. E ambos derivam de projetos modernos e bem engendrados. Depois de dirigir o Cronos em Córdoba, na Argentina, dá para dizer que a competição será boa, não só entre os dois, também com outros sedãs pequenos como Chevrolet Prisma, HB20S, Volkswagen Voyage, Nissan Versa, Renault Logan, além do próprio Fiat Grand Siena, que segue em produção como opção mais barata. Sobre esses, menores, o Cronos leva mais vantagem em uma categoria representa algo entre 13% e 15% das vendas de automóveis no País, o terceiro maior segmento do mercado nacional, atrás dos hatches e SUVs.

“O Cronos tem a combinação perfeita de qualidades para um sedã, com desenho esportivo, bom espaço interno e porta-malas grande”, diz Herlander Zola, diretor da marca Fiat América Latina.



BOAS PRIMEIRAS IMPRESSÕES





Ao volante, o Cronos é um carro agradável e ágil de dirigir, tanto o 1.8 quanto o 1.3. A direção elétrica progressiva é ao mesmo tempo precisa e suave, a posição do motorista é confortável, as acelerações com ambas as motorizações são confiáveis e suficientes – melhor com o 1.8 que usa o câmbio automático Aisin, muito bem ajustado para o carro. O acabamento interno é caprichado na medida, sem luxos, mas com materiais, texturas e cores que garantem ambiente confortável ao corpo, aos olhos e também aos ouvidos, graças ao bom isolamento acústico da cabine – que a Fiat garante ser superior ao dos concorrentes.



Os designers do estúdio da FCA em Betim (MG) acertaram a mão no desenho externo do novo Fiat, criaram um sedã de linhas elegantes e até esportivas, com traseira alta para dar caimento à silhueta fastback. A traseira é enfeitada por bem cortadas lanternas horizontais de LED. Mesmo na dianteira o Cronos guarda algumas diferenças em relação ao derivado hatch da família, o Argo, construído sobre a mesma plataforma MP-S.

“O Cronos foi um grande trabalho da engenharia da FCA América Latina, que tinha como objetivo criar o melhor carro de sua categoria”, afirma Claudio Demaria, diretor de engenharia da fabricante.



Segundo o diretor, o Cronos é de fato um carro bem diferente do irmão hatch, pois 70% de suas peças são exclusivas, só 30% são herdadas do Argo e do já falecido Punto. Na prática, o Cronos parece ser um carro bem acertado na dinâmica, até um pouco melhor do que o Argo. A carroceria do sedã é feita com 55% de aços de alta resistência, 10% de ultra-alta resistência e 10% de estampados a quente. Com isso, apesar de mais longo, o Cronos é apenas 10 kg mais pesado que o Argo e não compromete o desempenho de suas motorizações.



Internamente, o Cronos tem a mesma distância entre eixos de 2,52 m do Argo, por isso perde em conforto para o VW Virtus, que estende para 2,65 m o hiato entre as rodas. Contudo, o conforto do sedã Fiat é bom, superior ao da maioria concorrentes. No assento traseiro duas pessoas de 1,85 m se acomodam bem. E o porta-malas é tamanho-família, o maior da categoria com 525 litros, até um pouco acima dos 521 do Virtus.

O pior do Cronos é seu motor 1.8, que embora confira bom desempenho dinâmico ao carro, é um tanto quanto gastão. O 1.3 não é nenhum estrondo de potência, mas não chega a comprometer, dá para o gasto com economia de combustível. Para melhorar a eficiência, o sedã usa pneus de baixa resistência ao rolamento, óleo de motor e câmbio de baixo atrito, eletroventilador, indicador de troca de marchas (no caso do manual) e monitor de pressão dos pneus.

Em segurança, o Cronos tem de série a maioria dos equipamentos de assistência, como controle de estabilidade e tração (ESC com TC), distribuição eletrônica de frenagem (EBD) com assistência de força (HBA), assistência de partida em rampa (HHA). Tem os dois airbags frontais obrigatórios por lei, mas não traz os laterais, cada vez mais aplicados até em modelos populares (caso do Renault Kwid).

O infoentretenimento a bordo está em linha com a tendência atual, com pacote opcional na maioria das versões, que agrega na tela central sensível ao toque de 7 polegadas funções do sistema de som, com áudio streaming, conexão com smartphone via Aple Car Play e Adroid Auto, câmera de ré, além de comandos por voz e no volante multifuncional. Também estará disponível o sistema keyless, em que a chave funciona por aproximação do veículo, não precisa sair do bolso do motorista para travar ou destravar as portas e ligar ou desligar o motor, o que é feito por meio de botão no console.



[ voltar ]