home not�cias an�lise quem � quem ABTV

acesse aqui a versão padrão

FERNANDO CALMON | 11/11/2020
Ter ou não ter o carro, eis a questão
Uma das dúvidas para quem utiliza o carro no dia a dia é como escolher entre uso, posse ou propriedade. O modelo de compartilhamento começou em 2009 como resposta à crise das hipotecas bancárias nos EUA e se espalhou pelo mundo. Por algum tempo se pensou neste como modelo vencedor, mas não foi bem assim. Várias fabricantes criaram empresas próprias para alugar veículos. Algumas desistiram do negócio quando os aplicativos se apresentaram como alternativa mais em conta do que táxis. A atividade cresceu tanto que várias cidades impuseram taxas ou tentaram proibir o serviço.

Houve quem fizesse contas, vendesse seu automóvel e passasse a se deslocar por meio de aplicativos e alguns toques na tela do celular. Porém, também já sentiram alguns inconvenientes como a demora nos horários de pico ou em dias de chuva quando a demanda aumenta muito. Sem contar alguns cancelamentos que podem levar à impontualidade nos compromissos. Quem roda mais de 500 km por mês, em média, deve fazer contas (inclusive de estacionamento) para saber se vale se desfazer do carro próprio.

Na ótica do consumidor, o primeiro aspecto é a comparação entre custos de propriedade e de locação de longo prazo. O consultor Francisco Mendes explica: “Aquisição, impostos, seguros, manutenção programada ou corretiva são explícitos e ocorrem ao longo do tempo de uso, enquanto a depreciação do bem só se configura no momento da venda ou troca, mas integra o custo de propriedade.”

Há ainda o aspecto sociológico. Segundo ele, “a grande maioria dos consumidores não faz contas sobre custo de propriedade. Por razões pessoais prefere a propriedade do bem, considerando a segurança financeira de longo prazo. Quem não gera sua própria renda tende a ter maior insegurança quanto à capacidade de continuar locando ao término do contrato. Sabem que se não houver recursos para a substituição do bem, podem permanecer com o veículo por prazos mais longos e continuar a atender suas necessidades de mobilidade”.

Nos últimos cinco anos, as locadoras alcançaram fatia importante das vendas totais, além da tradicional atuação na área de turismo e terceirização de frotas. O aluguel de longo prazo com tudo incluído, conhecido por “assinatura”, seduz desde motoristas de aplicativos a compradores de maior poder aquisitivo. Estes últimos representam mais rentabilidade e índices de inadimplência bem menores, além dos locatários calcularem com rigor o custo de propriedade.

Mendes aponta forte recuo das locadoras em razão da pandemia. “Há reflexos nas operações de compartilhamento, importante no negócio de locação. As fabricantes não conseguem equilíbrio baseado na venda para grandes frotas e redirecionaram esforços para alcançar este mercado graças à capilaridade de sua rede de concessionárias.”

O carro por assinatura atrai de locadoras a empresas seguradoras. E agora há a iniciativa da VW, Sign&Drive, com T-Cross 200 TSI (12 x R$ 1.899) e Tiguan Comfortline (24 x R$ 3.659). Toyota vai estrear o Kinto Flex no primeiro semestre de 2021.

ALTA RODA



OUTUBRO foi mais um mês de recuperação do mercado interno de veículos leves e pesados: média diária de vendas (10.200 unidades) subiu 3% sobre setembro. No acumulado de 10 meses, em comparação ao mesmo período de 2019, houve queda de 30,4%. Especificamente em junho deste ano recuo foi de 75% sobre o mesmo mês do ano passado. Exportações fracas puxaram para baixo a produção: 38% menos.

ESTOQUES totais nunca estiveram tão baixos: apenas 18 dias. A indústria enfrenta velocidade lenta nas linhas de produção e faltas pontuais de peças. Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, admite que a queda no ano será menor que a esperada inicialmente. “Para 2021 está difícil de prever, quando terminar a demanda reprimida pela pandemia e estímulo à economia for reduzido por razões fiscais”, completou.

FENABRAVE confirmou que a comercialização de veículos usados (incluídas as lojas independentes) vem reagindo melhor nos últimos meses. Queda acumulada este ano em relação a 2019 está em 20,5%, o que pode dar suporte a uma recuperação mais animadora em 2021. Até agora foram vendidos 4,7 vezes mais usados do que novos (proporção histórica). A entidade ainda não fez previsões para o próximo ano.

BORGWARNER completou 45 anos no Brasil. Começou com turbocompressores para veículos comerciais a diesel. Ao longo do tempo a matriz adquiriu outras marcas como as concorrentes KKK e Schwitzer, a Delco Remy e mais recentemente a Delphi Tecnologies. Desde 2015 tem um centro de pesquisas e desenvolvimento no Brasil. Também desenvolveu o primeiro turbocompressor para motores flex.

ATIVIDADES fora de estrada estão em alta no País. Assim, pneus precisam resistir bem nessas condições. É a aposta da General Tire, com o novo Grabber A/Tx resistente a cortes e picotamentos.

____________________________________________________________
www.fernandocalmon.com.br

[ voltar ]