home not�cias an�lise quem � quem ABTV

acesse aqui a versão padrão

FERNANDO CALMON | 23/01/2019
De fatos a boatos
Começo de ano dos mais movimentados, tanto no Brasil quanto no exterior. Entre as notícias que chamaram atenção, um comunicado interno da GM interpretado como possibilidade de a empresa se retirar do País. Não há sustentação nos fatos. Depois de anunciar, em 2018, 20 novos produtos, de 2019 a 2022, além de 10 “séries especiais”, fica claro que este risco é remotíssimo.

Frases de um comunicado interno na sede de São Caetano do Sul (SP), vazado para a Imprensa, referindo-se à presidente mundial da companhia, Mary Barra, ter anunciado que não vai “investir onde perde dinheiro” e que poderia lançar mão de “opções”, é muito vago. Nada de novo, pois investir e perder dinheiro continuamente é para quem pratica dumping (impensável) e descontinuar uma operação pequena na Colômbia, por exemplo, se enquadraria na afirmativa.

A estratégia de comunicação da empresa certamente não foi a melhor e o silêncio, depois, em nada ajuda. O ano passado, apesar do crescimento de 14,6% do mercado, foi ruim em resultados para quase todos os fabricantes pela desvalorização cambial, greve de caminhoneiros e grandes descontos em vendas diretas.

A própria GM, no entanto, conseguiu avanços nos últimos anos na América do Sul. Agora, em 11 de janeiro, relatou a investidores nos EUA ter reduzido em 40% o ponto de equilíbrio do seu balanço na região. Financeiramente resolve pouco, mas vai na direção correta.

Antes, Ford e VW anunciaram no segundo dia do Salão de Detroit, semana passada, que vão colaborar no desenvolvimento de picapes, vans comerciais, além de carros autônomos e elétricos. Trata-se de uma aliança, mas sem capital acionário envolvido. Confirmaram que em 2022 a nova Amarok terá a mesma base da futura Ranger.

Essa é só metade da história. Se a Ford se tornou a maior fabricante de picapes do mundo, a VW tem essa posição em automóveis e nas vendas mundiais de veículos. A marca americana há pouco anunciou drástico enxugamento na Europa, resultado de prejuízos acumulados e de o Reino Unido se retirar da União Europeia até dezembro de 2020. Então a contrapartida óbvia seria a fabricante alemã produzir automóveis e crossovers para a Ford, em nível mundial.

Prematuro prever sinais de fusão ou algo parecido, porém a aproximação entre as duas marcas será muito maior do que o estabelecido nesse momento. Operações da Autolatina no Brasil, criada em 1987 e desfeita entre 1994 e 1996, mostram que as duas empresas sabem, perfeitamente, o certo e o errado.

O Salão de Detroit mostrou entre as atrações o Shelby GT 500 (Mustang modificado com mais de 700 cv), o novo SUV Ford Explorer e o retorno do Toyota Supra (base mecânica e chassi do BMW Z4), um cupê que estava fora de produção havia 17 anos. Para o Brasil surgiu o novo Toyota RAV4 e o presidente da FCA, Mike Manley, confirmou a exportação dos EUA da picape média RAM 1500, mas não falou sobre produção aqui. Carro-conceito Nissan IMs antecipou a visão de um sedã grande com um motor elétrico em cada eixo.

Exposição de Detroit sofreu outro esvaziamento (a partir de 2020 será em junho, não mais em janeiro) em razão da CES, feira de produtos eletrônicos em Las Vegas uma semana antes. O evento com mais de 4.000 empresas foi “invadido” por fabricantes de automóveis. Este ano havia nove grupos, inclusive uma nova marca chinesa, a Byton, com um sedã e um crossover elétricos de estilo audacioso. Exibiam uma tela multimídia de nada menos que 48 polegadas de largura, ou seja, de uma porta até a outra.

Lá ocorreu a apresentação mundial da nova geração do Mercedes-Benz CLA. A marca alemã não esteve em Detroit. A Ford demonstrou a tecnologia CV2-X para interação entre veículos, infraestrutura viária e pedestres, por meio da rede de dados, para evitar acidentes. O sistema funcionou bem na atual rede 4G, mas a empresa só vai disponibilizá-lo em 2022 quando a 5G estiver mais difundida.

ALTA RODA


DESENHO da aliança Renault-Nissan permanece indefinido até se decidir quem vai mandar, de fato, na futura companhia holding. Fontes do exterior afirmam que estaria esgotado o modelo de participação acionária cruzada, existente há 20 anos. Renúncia de Carlos Ghosn (ainda preso no Japão) ao posto máximo na diretoria da Renault abre alternativas.

NOVO MERCEDES-BENZ Classe A 250 Vision demonstra como um hatch moderno deve ser. Atualização de linhas, melhor aerodinâmica (Cx 0,25), motor 2-litros turbo, 224 cv (antes, 211 cv) com respostas vigorosas e porta-malas de 370 litros (29 litros mais). Experiência de interação por comando de voz (MBUX) funciona bem e é grande destaque do modelo. R$ 194.900.

RESSALVA: cronograma de transferência de produção entre fábricas da Honda, de Sumaré (atual) para Itirapina (nova), mostra WR-V em agosto próximo e HR-V no início de 2020, segundo fonte da Coluna. Sedãs City e Civic migrariam apenas no fim de 2020 e começo de 2021. A marca japonesa confirma que o Fit começará nas instalações novas agora em fevereiro.

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

[ voltar ]