home not�cias an�lise quem � quem ABTV

acesse aqui a versão padrão

FERNANDO CALMON | 02/01/2018
Conectividade gera valor
Há grandes interesses ligados à conectividade de veículos. Correlação de dados em tempo real entre carros, seus usuários e o meio ambiente vão se transformar em novos negócios para toda a cadeia automobilística. Nos últimos três anos cresceu significativamente o número de carros conectados nas estradas: mais de 5,5 milhões no mundo e cada um deles gera 25 GB de dados por dia.

Esse valioso volume de informações não se restringe ao veículo, sua rota, velocidade, desgaste de peças e componentes, mas também a fatores externos como o ambiente em torno e as condições do tempo. Esse conjunto conhecido como “Big Data” vai trazer alternativas reais aos negócios do setor.

A prioridade atual dos fabricantes é direcionar a aquisição de dados para aumentar a segurança. Ninguém, porém, desconhece a possibilidade de que possam ser correlacionados e utilizados de forma a melhorar o relacionamento com os clientes. Por outro lado, a cadeia de serviços em que se incluem as concessionárias terão novas oportunidades de aumentar seu faturamento no mercado de pós-venda.

O faturamento mundial da indústria automobilística é de aproximadamente US$ 3,5 trilhões (R$ 11 trilhões) por ano, dos quais 80% vêm das vendas de veículos e 20% de serviços de manutenção (aftermarket). Segundo o site inglês Just-Auto, a crescente aceitação de automóveis conectados, semiautônomos e, em futuro mais distante, autônomos se transformará em novas receitas para o setor. Especialistas chamam essa fonte de “monetização de dados”.

Alguns analistas consideram que se trata de um segmento à parte, com valor próprio estimado em US$ 1 trilhão nos próximos 10 anos. Esse novo modelo de negócio colocará foco em todos os aspectos da mobilidade desde compartilhamento de carros, novos aplicativos, monitoramento e diagnósticos remotos (essencial para que oficinas se preparem previamente para melhor atender os clientes), navegação mais precisa em tempo real, até formas de entretenimento a bordo de alta sofisticação.

Estarão abertas, assim, oportunidades também para os setores de telecomunicações, companhias de seguro, locadoras e outros que gravitam em torno dos veículos. Todos vão querer morder um pedaço dessa maçã.

Monetização de dados é o que levou a indústria automobilística a acordar, ainda em tempo, para os avanços dos gigantes da telemática na seara alheia. Google, Apple e um pouco atrás a Microsoft não se contentaram em adquirir, praticamente sem custos, as informações valiosas de seus clientes individuais. Dentro de um automóvel as possibilidades aumentam exponencialmente, como visto acima.

Ao partir da premissa de que a massa de dados obtida de um carro conectado tem enorme valor, cooperação será a palavra-chave para exprimir melhor as novas experiências. Por enquanto, as conexões com smartphones por meio de sistemas como Android Auto (Google) e CarPlay (Apple) são atraentes, mas no futuro chegarão mais alternativas. É esperar para ver.

____________________________________________________
fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

[ voltar ]